A música nos campus universitários no Brasil

João_Bosco_(TV_Brasil)

Desde há muito que é normal encontrar, nos campus universitários brasileiros, estudantes tocando guitarra, grupos que se reúnem em bandas de garagem, coros universitários, etc. O Brasil está no entanto a assistir a um fenómeno novo que está a conquistar o mundo estudantil: o Sertanejo Universitário.

As universidades condensam num espaço comum jovens das mais variadas proveniências, desde o interior menos urbanizado às enormes metrópoles como o Rio de Janeiro ou São Paulo.

Enquanto do interior vieram os violões, violas e acordeões com a antiga tradição sertaneja, dos grandes centros urbanos vieram os instrumentos modernos como as guitarras e baixos elétricos, baterias, metais e sintetizadores e géneros musicais de cariz mais citadino como o Rock e o Funk.

Os dois gêneros e tradições começaram gradualmente a fundir-se com a convivência contínua nos campus universitários e em meados dos anos noventa do século XX começaram as primeiras incursões neste estilo híbrido, com João Bosco & Vinicius a serem os pioneiros.

As letras simples e apelativas, os ritmos que convidam à dança e refrões que ficam na memória são alguns dos ingredientes de sucesso do Sertanejo Universitário. Atentas ao fenômeno, as rádios e televisões transmitem cada vez mais músicas e espetáculos deste género musical contribuindo para a sua crescente popularidade. Cada vez mais bandas se vão formando e enriquecendo o reportório deste estilo.

Enquanto inicialmente se atribuía ao género Sertanejo uma conotação um pouco inferior, hoje em dia, com a evolução do estilo e maior absorção e integração de temas modernos e urbanos, este tipo de música é já escutado também pelas classes sociais mais altas e que tiveram acesso a melhor educação – as mesmas que antes se afastavam das “músicas do sertão”.

O Sertanejo Universitário tem hoje uma identidade própria, seguidores fiéis e aparentemente um futuro longo e auspicioso pela frente.